CAMINHO // 3 – Os dias chuvosos

Acordamos com bastante chuva. O rio perto do nosso albergue transbordou durante a noite e molhou todas as roupas que estavam secando no porão. Tomamos um café da manhã típico do Caminho – torradas e café com leite – servido pelas senhorinhas alemãs. O tempo estava tão ruim que deu vontade de passar um dia a mais naquela casinha aconchegante.

Mesmo querendo ficar, calçamos as botas e nos vestimos com as roupas e capa de chuva. O início do dia foi atravessando Pamplona. Era um domingo de manhã e as luzes ainda acesas refletiam nas poças de água que se formavam na rua de pedra.

Depois dos primeiros quilômetros senti muita fraqueza, uma moleza nas pernas. Aguentamos até encontrar um restaurante em Cizur Menor com mochilas esparramadas na frente – sinal de pit stop de peregrinos. No “Asador, el Tremendo” tomamos chocolate bem quente e sentamos ao lado uma lareira para descansar e secar as roupas. Carimbamos o passaporte, juntamos forças e seguimos. Passamos pelo Alto del Perdón, lugar realmente altíssimo que tem uma das vistas mais bonitas do Caminho, mas o dia estava tão chuvoso e nublado que não dava pra ver nada. Passamos meio batido por lá.

.

Os peregrinos não andam sempre juntos, mas como a média de kms possíveis de ser feitos diariamente por um ser humano a pé é mais ou menos a mesma, vamos encontrando mais ou menos as mesmas pessoas nas paradas.

Já nos primeiros dias, entendi que éramos personagens do Caminho. A mãe e a filha. As únicas da modalidade no nosso grupo. Tinham também outras categorias, como “a família feliz” – 4 americanos muito simpáticos e sorridentes, de um bom humor aparentemente inabalável pelos dias de chuva, “as amigas” – 8 mulheres de meia idade que faziam o caminho juntas, “o italianão” – senhor que se achava um galã e tentava chegar em todas as peregrinas, “os jovens descolados” – de maioria alemã, que se conheceram no começo e faziam festa, tocavam violão e sempre estavam nos bares no final da tarde e, claro, os coreanos. Muitos coreanos.

.

No quinto dia, em Puente de la Reina, minha mãe começou a sentir muita dor no tornozelo. A bota pegava bem no ossinho e fazia uma fricção insuportável a ponto de ela não conseguir nem andar alguns metros para chegar ao centro da cidade. Precisávamos encontrar um novo calçado pra ela, mas o comércio só abriria em 2 horas.

Paramos em um bareco pé sujo até que as lojas começaram a abrir. Tomamos café, escrevemos um pouco e esperamos, um tanto ansiosas, para saber se encontraríamos algo que ajudasse a caminhar os 22km programados para o dia. Perto das 10 da manhã, o dono do bar, que já sabia do nosso drama, veio nos avisar que a sapateira – sim, a única da cidade – estava doente e não abriria a loja.

Começamos a pensar nas opções. Não poderíamos ficar na cidade porque já tínhamos mandado a mochila da mãe de van para tentar aliviar a dificuldade. Fomos até a farmácia, tentamos tornozeleira, gel frio, e faixas. Tentamos trocar de bota. Encontramos uma alpargata, mas não resistiria à lama e às chuvas que iam e vinham durante o dia. Negamos até o último minuto a solução mais sensata: pegar um ônibus para a próxima cidade.

Meu coração estava dividido. Queria ir caminhando, não de ônibus. Me sentia boicotando o Caminho por “desistir” na primeira dificuldade. Não queria deixar a minha mãe sozinha, mas ao mesmo tempo sabia que ela conseguiria se virar. Comecei a ficar nervosa.

Disse a ela que queria ir sozinha. Ela, sem conseguir caminhar nem meia quadra, disse que se eu fosse ela ficaria muito preocupada, então iria junto. Fiquei mais nervosa. Disse que não era justo, que ela não tinha condições de caminhar e eu sim, e queria muito continuar. Ela disse que se eu quisesse ir, ela iria tentar. Mas não tinha cabimento ela caminhar no estado que estava.

Talvez seja isso o companheirismo? Respeitar o tempo e as limitações do outro mesmo quando isso envolve abrir mão do que eu posso/quero? Ou o certo seria que cada uma seguisse seu caminho, literalmente? Sei lá.

O sentimento ruim foi subindo do meu estômago para a garganta e eu já não conseguia mais falar com ela. Nisso, o ônibus chegou no ponto. No auge da minha brabeza, decidi que iríamos as duas. Atravessamos a rua correndo, guardamos nossas mochilas no porta malas e subi no ônibus chorando de raiva. Raiva. Nem sei a última vez que tinha sentido algo do tipo. E justo ali, nessa situação e com a pessoa que eu mais amo, nesse caminho que era pra ser todo zen.

Não queria nem sentar ao lado dela. Fui chorando os 20 minutos de viagem. Me sentia um fracasso por ter pego um ônibus no 5o dia de caminho e culpada por ter sido tão infantil e ríspida. Fiquei tão nervosa que dava vontade de vomitar (hello, gastrite!). Do outro lado do corredor, minha mãe também chorava.

Chegamos em Estella e o frio gelou os ossos. Fomos em busca de uma loja de calçados encontramos um tênis impermeável para a mãe. Enquanto ela provava e caminhava pela loja, troquei umas mensagens com a Sara (quase minha guru do caminho) que me mandou a seguinte mensagem:

“São encontros não tão prazerosos com as nossas frustrações… Longe da vida diária, aí no Caminho, parece tudo mais intenso. Veja como uma oportunidade pra reconhecer o sabor desses sentimentos, como você lida com eles, o que eles te trazem.. Acho que se você está disposta a se conhecer, será bem vindo tudo isso! E como me disseram – o Caminho te dá o que você precisa, não o que você quer!”.

.

Paramos para almoçar. Fizemos as pazes, pedi desculpas umas boas vezes. Mas ainda estávamos chateadas. Entre uma taça de vinho e outra, decidimos buscar a mochila e andar até a próxima parada já que agora tínhamos um calçado bom para a Saletinha. Com a ideia de caminhar, ficamos animadas, nos abraçamos mais uma vez e perdoamos uma à outra. Vestimos nossas capas de chuva e seguimos. Nossa decisão de fazer esses poucos kms do dia foi um reatar ao nosso propósito. Deixamos ir. Deixamos passar e aceitamos.

Entendi ali que o que não dá pra mudar só nos cabe aceitar com amor e, a partir das pazes feitas com o que já foi, entender a mensagem e seguir em frente mais com mais convicção e força possível.

.

Chegamos em Azqueta, no alto da encosta estava o Albergue Perla Negra (que poderia perfeitamente ser a casa da Luna Lovegood). Realmente uma pérola, uma jóia na vila escondida no meio das montanhas de Navarra.

Quem nos recebeu foi a Helena, dona da casa, toda descabelada, alegre e carinhosa. Ela nos deu jornal para colocar dentro das botas (para absorver a umidade da chuva), nos levou ao quartinho no sótão onde também ficava a mesa de jantar. As paredes de pedra e a decoração hippie colorida não poderiam combinar mais com a anfitriã. Tomamos um banho quente e descansamos. Ganhei um colo e um cafuné da mãe.

A Helena fez um jantar vegetariano maravilhoso, e nos deu a receita para sua tortilla de batata campeã (eleita em um concurso municipal quando ela tinha só 11 anos). Conversamos sobre a vida e sobre a comida do gato Amet, que sofria de obesidade. Nós éramos as únicas hóspedes junto com um americano-escritor-veterinário-estudioso-de-cavalos-e-gatos, e o Filipino de Boston, Gwan. Fazia muito frio e dormimos enterradas nas cobertas.

.

Tomamos café na casa da Helena e nos preparamos para partir. Ela insistiu que fizéssemos ‘bocatas’ – os sanduíches dos espanhóis – com a tortilla que sobrou do jantar. Muito amada. Na saída, ela nos contou sobre o Marcelo, um amigo brasileiro que a ajudou financeira e emocionalmente a começar o albergue em um momento muito difícil para ela, quando se tornou mãe solo há alguns anos. Seus olhos se encheram de lágrimas e os da minha mãe também. Nos abraçamos forte e colocamos o pé na estrada outra vez.

 

Processed with VSCO with c8 preset

Pamplona

Processed with VSCO with c7 preset

Processed with VSCO with c7 preset

Esperando a loja de sapatos que nunca abriu

Processed with VSCO with c8 preset

Processed with VSCO with c8 preset

Processed with VSCO with c7 preset

Processed with VSCO with c8 preset

Processed with VSCO with c8 preset

Processed with VSCO with c8 preset

A Helena do Albergue Perla Negra

Processed with VSCO with c8 preset

Processed with VSCO with c8 preset

Processed with VSCO with c8 preset

Processed with VSCO with c8 preset

Processed with VSCO with c8 preset

Belíssimas e o tempo estava ótimo

Processed with VSCO with c8 preset

Processed with VSCO with c7 preset

Advertisements

Caminho // 2 – O começo

Saímos de Saint Jean às 7h30 da manhã enquanto o sol ainda nascia. Estávamos ansiosas para o primeiro dia, conhecido por ser um ou O mais difícil de todo Caminho. Ouvimos dizer que quem aguenta o primeiro, aguenta todos.

Na verdade, ouvimos muita coisa. Que os primeiros dias seriam os mais difíceis, que acostuma, que a experiência do Caminho muda a vida pra sempre, que seria inesquecível, que existe um você antes e outro depois de chegar a Santiago. Tem gente que encontrou Deus, gente que mergulhou em si mesmo, que presenciou milagres, que conheceu o amor da vida, que largou o emprego e foi viver de luz. E tem nós.

Nós sonhávamos com o dia em que colocaríamos nossos pés no asfalto. Fora isso, não sabíamos o que esperar.

.

Seriam 27km dos quais 21 eram só subida e os últimos de descida extremamente íngreme. Os primeiros passos me fizeram sentir aquela curiosidade de criança. Minha vontade era ir correndo para descobrir o que seria a tal subida dos Pirineus, quem eram os outros peregrinos, como seriam os albergues que dormiriamos. Minha Mãe estava preocupada com os joelhos (se recuperava de uma tendinite), tentando ajeitar a bota e acertar as alças da mochila.

Os primeiros 5 ou 6km foram, para mim, os mais difíceis – não sei se por serem mais íngremes, pela falta de café da manhã (só tinhamos comido uma banana cada) ou por serem os primeiros mesmo. No Refúgio Orisson, primeira e única parada do trajeto, tomamow um café com leite, comemos bocadillos e um bolo típico do País Basco. A comida nos deu energia e os próximos 10km foram bem mais fáceis e animados. Dançamos, tiramos fotos e cantamos. Os Pirineus já não pareciam um bicho de sete cabeças.

O sol da manhã contornava as montanhas que tinham seus picos cobertos de neve. A paisagem era de encher os olhos e o tempo nos ajudou muito. Foi um presente de dia. Subimos, subimos e subimos um pouco mais. Quando parecia que não dava pra ficar mais alto, aparecia um baita morro na nossa frente.

Depois de umas 6 horas de caminhada, finalmente começamos a descer. Em meio a montes de neve derretendo e folhas de árvore acumuladas pelo trajeto, fomos fazendo os kilometros restantes até Roncesvalles.  Penso em quão sortuda sou de estar ali e poder viver esse momento ao lado da pessoa que mais amo nesse mundo.

Chegamos. O albergue era enorme, iluminado e com cabines de duas pessoas, muito melhor do que a expectativa. Mas o banho era frio. Depois de 27km, aquela ducha fria no inverno foi o cartão de boas vindas para o Caminho. Teve janta comunitária e uma missa com benção para os peregrinos em várias línguas.

.

O albergue acendeu as luzes às 6 da manhã. Todas as mais de 50 pessoas que estavam dormindo no nosso andar começaram a arrumar as mochilas e fazer fila no banheiro.

Ainda estava escuro e a lua iluminava o céu entre as árvores ainda sem folhas. Caminhamos até um pueblo onde paramos para o café. O dono do bar me contou a história da ‘Flor dos Pirineus’, que  só nasce ali na região e que os bascos acreditavam que era proteção contra duendes e criaturas das sobras. Comprei um adesivo pra levar na mochila. Nunca se sabe.

.

Nós somos bem diferentes, e isso começa a ficar mais evidente à medida que os dias passam. Ela é super prevenida e gosta de pensar em tudo. Eu sou mais descuidada e vou improvisando. Ela gosta de fazer a caminhada “em um tiro só” e eu prefiro ir parando cada pouco. Eu tenho fome o tempo inteiro e ela fica satisfeita com uma boa refeição por dia.

Aproveitamos as horas de trilha para conversar sobre as coisas que aconteceram nos últimos meses. Faz tanta falta dividir a vida com ela. Andamos lado a lado, às vezes de mãos dadas. Dividimos tudo. Passamos shampoo por cima do box, seguramos a porta dos banheiros que não fechavam. Brindamos com vinho sempre que incluído no menu peregrino e escolhemos algo diferente para agradecer.

.

No final do terceiro dia conhecemos o Nicola. Um senhor italiano de 70 anos que fazia o caminho pela oitava vez. Ele contou (em italiano mesmo) que a primeira vez foi quando a esposa dele faleceu e, desde então, faz todos os anos. Quando perguntei o que fazia ele voltar ele disse – O caminho é arte, poesia e música. Seu Nicola ❤

.

Pegamos muito frio e chuva e chegar ao albergue de Pamplona foi um abraço no coração. Umas senhorinhas alemãs que trabalhavam como voluntárias ali nos receberam com chá quente e bolacha maria. O banho era tão quente que fechei os olhos e deixei a água escorrer pelo corpo por uns minutos.

Mesmo exaustas, nos vestimos e saímos para jantar e ver um pouco da cidade. Tomamos umas taças de vinho e comemos uns pintxos muito bons no Bar do Gaúcho. Quando nos demos conta estávamos andando pela cidade falando bobagem e chorando de rir.

Processed with VSCO with c8 presetProcessed with VSCO with c8 presetProcessed with VSCO with c8 presetProcessed with VSCO with c8 presetProcessed with VSCO with c8 presetProcessed with VSCO with c8 presetProcessed with VSCO with c8 presetProcessed with VSCO with c8 presetProcessed with VSCO with c8 presetProcessed with VSCO with c8 presetProcessed with VSCO with c8 preset

Processed with VSCO with c8 preset

Processed with VSCO with c8 presetProcessed with VSCO with c9 presetProcessed with VSCO with c8 preset

Processed with VSCO with c8 preset

 

Caminho // 1 – Antes

Era dia 8 de janeiro. Quando eu voltava do meu horário de almoço o celular notificou que eu tinha um novo e-mail na caixa de entrada:

“Já estou emocionada, com os olhos marejados e o coração palpitando de felicidade! Será um desafio único e inesquecível. Vamos nos unir mais um pouco e aprender uma com a outra muitas coisas lindas sobre nós mesmas. TENHO CERTEZA QUE VAI SER MUUUUITO LINDO! TE AMO, MAMIS”

Em anexo estava a confirmação de compra das suas passagens de avião. O coração quase parou. Agora vai.

.

Perdi a conta de quantos checklists fizemos nas semanas que antecederam o Caminho. Eu e minha mãe nos ligamos várias vezes para ter certeza de que não faltava nada. Meias, toalhas, sacos de dormir, arnica, tesourinha. Check. Vimos dicas na internet, nos mandamos links e conversamos com nossos amigos queridos e peregrinos veteranos.

Falei com a Gabi e com a Tia Cláudia por mais de uma hora. Elas deram dicas do que levar ou não, alguns albergues preferidos e uma pomada que é tiro e queda para as inflamações musculares (agora já comprovada empiricamente). Rimos juntas da história da Tia que, logo na primeira parada, deixou metade das coisas e arrancou as páginas e um caderno  – “ah eu nem ia escrever tanto assim”. A Tia, a Carol e a Gabi foram nossa primeira inspiração para começar a sonhar com essa aventura.

Alguns dias depois eu e Oli ligamos para o Ben e a Sara, casalzão maravilhoso que morou em Londres no mesmo período que nós. Na época, curtimos a preparação deles para o Caminho e agora, quase dois anos depois, eles nos ajudavam com a nossa. Eles estão grávidos pela primeira vez e a Sara me escreveu algo especial que divido com vocês:

“Agora na gravidez, ou quando penso no parto, me lembro do Caminho. Uma sensação semelhante de não saber muito bem o que esperar. Se íamos dar conta, o que seria caminhar tanto… tinham tantas incertezas. Iguaizinhas agora. Nada previsível. Mas o que me faz bem é pensar que todos os trechos que aparentemente eram os mais difíceis complicados, que as pessoas alarmavam muito, foram pra gente os melhores! E de longe nem perto do que descreviam.”

.

Já era passado da meia noite e ainda não tínhamos conseguido fechar nossas mochilas. Cada uma tinha pelo menos 3kg a mais do que o recomendado, que é entre 10% e 15% do seu peso total/corporal. 

Começamos a pesar cada item na balança da cozinha. Descobri que leggings pesam aproximadamente 250g, um All Star meio quilo e uma escova de cabelo pequena entre 60 e 90g. Se tiver aquele espelhinho embutido, pesa o dobro. 

Tiramos peça por peça de roupa até só sobrar o mínimo possível. Pesamos outra vez, ainda era muito. Deixei o calçado extra. A legging e o vestido ficaram também. A câmera (1kg) veio, mas sem o case e sem a alça supersônica (352g). O caderno teve que ser o de 30 páginas. 

Foi o primeiro dos tantos exercícios de desapego, esse de reduzir o mínimo já previamente reduzido das bagagens. Eu achei até graça, mas a Saletinha estava em um conflito real. Sentada no sofá, ela olhava, analisava e refletia sobre cada coisa, nada feliz em deixar os creminhos, hidratantes, curativos. No final das contas, ela trouxe todas as 5 calças e um belo kit de primeiros socorros que é praticamente uma UTI móvel.

.

Acordamos às 6 da manhã e partimos rumo à Estação de Sants para pegar o trem que nos levaria ao início do Caminho Francês. Ainda era noite e as Ramblas estavam vazias sob um céu azul marinho começando a clarear. Mal sabíamos que em poucos dias essas cores do amanhecer nos seriam tão familiares.

O frio da madrugada só não era maior do que o frio na barriga. Estávamos, enfim, começando a realizar o sonho que sonhamos juntas de caminhar os quase 800km em direção à Santiago de Compostela.

Chegando em Saint Jean Pied de Port fizemos nossa credencial de peregrinos, documento oficial que se carimba em todas as paradas para marcar por onde passamos. Também escolhemos nossas conchas e as amarramos nas mochilas. Estávamos prontas para os primeiros 27km.

Processed with VSCO with c8 preset

Bangkok

Estamos no coração de Bangkok. Mais especificamente, no meio de Chinatown.

Chegamos ontem de madrugada e a cidade ainda vibrava com o trânsito intenso e cintilava ao reflexo dos infinitos letreiros de neon. Na rua, os trabalhadores das barraquinhas finalmente encerravam o expediente. Alguns sentavam para comer enquanto outros recolhiam as mesas e cadeiras das calçadas. Depois da perfeição quase blasé de Singapura, a Tailândia nos recebeu com muitos cheiros, barulhos e o caos digno de um lugar cheio de vida. Bem mais aconchegante.

O hostel fica ao lado de uma casa de massagens e logo em frente a um restaurante de ensopado de barbatana de tubarão. Se o outro lado do mundo tem uma cara, é essa.

Esse é o nosso último destino antes de voltar a Barcelona – e últimos destinos são sempre um tanto prejudicados. Seja pela pouca energia ou dinheiro restantes ou por já estarmos mais acostumados com “o diferente”. Mas Bangkok não me parece o tipo de lugar que passaria despercebido.

É manhã.

Já dancei no chuveiro desse banheiro com paredes mal pintadas, tomei café e refiz o meu curativo na perna. Estamos deitados, meu cabelo ainda molhado enrolado na toalha e o corpo descansando só mais um pouquinho. A pele gelada pelo ar condicionado, fugindo do mormaço quente que insiste em entrar pela fresta da janela.

Deveríamos ter saído, mas estamos aqui escutando uma versão esquisita de “Come as You Are” do Caetano e jogando conversa fora. Essa ânsia de querer ver tudo às vezes nos impede de sentir a energia singular de cada lugar. Por isso, volta e meia vamos mais despacito, suave, suavecito.

Até porque vejo uma graça toda especial em estar em meio a tanto para descobrir e ainda assim não ter pressa. Os instantes antes de sair para explorar a cidade sobra a qual tanto li e pesquisei tem um charme sutil. Sinto como se estivesse guardando as últimas páginas do meu livro preferido só para viver mais um pouco na ignorância de não saber o desfecho.

Então lá vamos: a desvendar o não-mistério dessa cidade grande do lado de cá.

ChinatownProcessed with VSCO with c8 presetChinatownProcessed with VSCO with c7 presetWat PhoProcessed with VSCO with c7 presetWat PhoProcessed with VSCO with al2 presetMango Sticky Rice Processed with VSCO with c7 presetFlower MarketProcessed with VSCO with c7 presetFlower MarketProcessed with VSCO with c7 presetProcessed with VSCO with c7 presetTuk Tuk

Processed with VSCO with c7 preset

02909006-0D6A-4E3E-B6EA-A04B5BFE1D8A.JPGWat ArunProcessed with VSCO with c7 presetProcessed with VSCO with c7 presetProcessed with VSCO with c7 presetWat PhoProcessed with VSCO with c7 presetProcessed with VSCO with c9 preset

6 meses em Londres

Nessa segunda feira completei 6 meses aqui. 6 meses que passaram voando, 6 meses que poderiam ser 6 anos se a gente contasse o tempo com sentimento ao invés de minuto.

Fiz esse vídeo – o segundo dá série “Um minuto por aí” (se você não viu o primeiro clica aqui) – pra mostrar alguns dos momentos que marcaram esses últimos meses. Espero que gostem 🙂

 

Cheguei em Londres em um domingo frio de dezembro, com duas malas, muitas saudades e ansiosa pelo que estava prestes a conhecer. Já tinha vindo duas vezes pra cá, como turista, pra ficar uns 4 ou 5 dias, mas essa vez era diferente. Dessa vez eu tinha saído de casa “de verdade”, pra morar na capital inglesa dividindo um apê de 15m2 com o Oliver, sem data pra voltar.

Depois de três semanas de muita loucura e correria de visto, aviso prévio e mudança, finalmente cheguei. Nosso reencontro no aeroporto de Heathrow foi meio surreal. Não conseguia acreditar que tudo tinha dado certo, que todos os meus bens acumulados nos 21 anos de vida estavam ali naquelas duas malas meio vazias e que finalmente estavamos juntos.

O Oli tinha preparado um kit de boas vindas pra mim, com as chaves de casa, um Oyster card, um chip de celular e um cartão dos Minnions. Pegamos o metrô e uma hora e tanto depois chegamos em Wembley, meu então novo bairro, carinhosamente apelidado por nós de “Campo Largo de Londres” devido a sua distância do centro da cidade. O prédio era (e é) novinho e o apartamento pequeno mas aconchegante e estava decorado com balões e uma faixa de boas vindas.

Tomei um banho rapidinho e saímos ver as luzes de Natal na Oxford Street, jantamos na casa de alguns amigos e voltamos para casa exaustos. Na manhã seguinte eu tinha uma entrevista de trabalho (que deu certo!), depois encontramos minha prima Raquel que estava aqui a passeio e voltamos para casa arrumar nossas mochilas para, na manha seguinte, partir para o Marrocos. Tudo isso em menos de 24 horas.